Edição digital
PUB
Opinião

Saber fazer bem, também é (d)aqui!

O tema que me traz este mês ao Hipersuper é uma espécie de ode às PME’s portuguesas. Mas mais do que isso, é uma ode às PME’s portuguesas fora daquilo […]

Opinião

Saber fazer bem, também é (d)aqui!

O tema que me traz este mês ao Hipersuper é uma espécie de ode às PME’s portuguesas. Mas mais do que isso, é uma ode às PME’s portuguesas fora daquilo […]

Sobre o autor
Vitor Ribeiro Gomes

O tema que me traz este mês ao Hipersuper é uma espécie de ode às PME’s portuguesas. Mas mais do que isso, é uma ode às PME’s portuguesas fora daquilo a que chamamos as nossas grandes capitais. De facto, aproveitar para sair da nossa bolha cosmopolita e ir à aventura neste país, não é só ver abandono ou desertificação de que tanto se fala (e bem, porque também existe), mas é sair para conhecer quem faz bem. É reconhecer que não damos a devida atenção a quem se reinventa, num país (ou numa Europa) que só agora parece estar a acordar para apoiar quem faz.
Os obstáculos a uma pequena ou média empresa em Portugal são imensos. Principalmente se não formos uma startup tecnológica que promete criar uma máquina revolucionária e única. Aquela máquina que nos orgulha, por ser uma equipa portuguesa a desenvolver, e que durante dois dias preenche o cabeçalho da nossa imprensa. E sim, este sector também tem desafios, mas vamos lá imaginar como é a inovação nas empresas que não têm na tecnologia o seu core. Alguns chamar-lhe-ão criatividade, outros teimosia, mas a verdade é que a dificuldade dos sectores mais tradicionais (desde a produção até ao retalho e passando pela Cultura), tem sido desmontada pelos próprios a olhos vistos. O perigo encontra-se naqueles que são resistentes à mudança e vão assumindo que já não têm lugar. E quando assim é, vemos as culpas de parte a parte a virem ao de cima e a falta de produtividade a tornar-se o vício mais perigoso. Outro exemplo dessa desmotivação é o processo burocrático de uma PME que se iguala ao de uma grande empresa em Portugal, quando não é justificável que assim seja. Mas sabem o que é mais interessante…ver que as PME’s continuam a subsistir. Ver que continuam a vencer e a querer contribuir para um país que teima em não olhar.
Então façamos o oposto, olhemos para as PME’s e percebamos como conseguem. Aprendamos com a sua resiliência e inconformismo dando-lhes palco para mostrar que com um pouco mais, fariam ainda melhor. Segundo os dados disponíveis na Pordata, há 1.357.657 PME registadas em Portugal, que representam 99,9% do tecido empresarial nacional. Simultaneamente na Europa e de acordo com recente estudo do Banco Central Europeu, existem mais de 3,8milhões de PME´s a contribuir com inovação. Queremos mais provas de que é para aqui que deveremos olhar?
Felizmente temos vindo a perceber que nos últimos anos tanto Portugal, como a Europa, tendem a caminhar neste sentido. A pandemia ajudou a impulsionar, mas a vontade não é nova. O Plano de Recuperação e Resiliência (o famoso PRR), cujo último pacote pode ser um instrumento para esse caminho, destina-se às PME’s e pretende dar-lhes a possibilidade de investirem em determinadas áreas, como a inovação, investigação, transição digital ou internacionalização. Também na Pendular temos vindo a canalizar pacotes especiais para estas empresas. Desejamos que se dediquem ao core do seu negócio, sejam eficientes dentro das equipas e ferramentas que os rodeiam, e deixem connosco as tarefas que preenchem os seus dias sem necessidade.
Esperando que o PRR cumpre o seu objetivo de reforçar as capacidades de organização e gestão das PME, nós por cá esperamos que, o que nos trouxe até aqui, nos faça crescer ainda mais lá à frente.

Sobre o autorVitor Ribeiro Gomes

Vitor Ribeiro Gomes

CEO da Pendular
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2024 Hipersuper. Todos os direitos reservados.