Edição digital
PUB
Leonor Freitas - Casa Ermelinda Freitas

Leonor Freitas – Casa Ermelinda Freitas Fotografias Frame It

Entrevista

“Na Casa Ermelinda Freitas não há nenhum ano sem projetos”

Leonor Freitas agarrou num negócio de vinho a granel com 60 hectares e apenas duas castas plantadas, e transformou-o na Casa Ermelinda Freitas, uma empresa e uma marca que fatura cerca de 40 milhões de euros, exporta para 42 países e produziu em 2023 quase 14 milhões de litros de vinho. “Uma Casa que quer evoluir tem de inovar constantemente”, afirma em entrevista ao Hipersuper.

Ana Grácio Pinto
Leonor Freitas - Casa Ermelinda Freitas

Leonor Freitas – Casa Ermelinda Freitas Fotografias Frame It

Entrevista

“Na Casa Ermelinda Freitas não há nenhum ano sem projetos”

Leonor Freitas agarrou num negócio de vinho a granel com 60 hectares e apenas duas castas plantadas, e transformou-o na Casa Ermelinda Freitas, uma empresa e uma marca que fatura cerca de 40 milhões de euros, exporta para 42 países e produziu em 2023 quase 14 milhões de litros de vinho. “Uma Casa que quer evoluir tem de inovar constantemente”, afirma em entrevista ao Hipersuper.

Sobre o autor
Ana Grácio Pinto
Artigos relacionados
AEP realiza missão empresarial aos EUA
Exportação
Campanha da Cruz Vermelha com insígnias alimentares permitiu dar 600 mil refeições
Retalho
Lusocargo anuncia parceria com operador logístico dos Países Baixos
Logística
Nova loja Bricomarché em Estarreja
Retalho
Indústria alimentar e das bebidas exportou 3.345 milhões de euros nos primeiros cinco meses
Exportação
Intermarché abre em Torre de Moncorvo: novo ponto de venda representa investimento de 4 milhões de euros
Retalho
Digital With Pupose Award atribuído a solução de IA para triagem de salmões invasores na Noruega
I&D
Há 40.451 empresas exportadoras em Portugal
Exportação
SodaStream apresenta novos sabores Pepsi
Bebidas
Adega Mayor celebra 17 anos com o lançamento de novos vinhos
Bebidas

Leonor Freitas agarrou num negócio de vinho a granel com 60 hectares e apenas duas castas plantadas, e transformou-o na Casa Ermelinda Freitas, uma empresa e uma marca que fatura cerca de 40 milhões de euros, exporta para 42 países e produziu em 2023 quase 14 milhões de litros de vinho. “Uma Casa que quer evoluir tem de inovar constantemente”, afirma nesta entrevista ao Hipersuper.

Fotografias Frame It

PUB

Os vinhos da Casa Ermelinda Freitas são premiados desde 1999 e já somam mais de dois mil prémios a nível nacional e internacional. Em 2020 a Casa foi eleita Produtor Europeu do Ano pelo concurso britânico Sommelier Wine Awards. Um percurso de sucesso que se fez com muito trabalho, muita capacidade de inovação e um profundo respeito pela vinha e pelo trabalho das gerações anteriores.

Leonor Freitas - Casa Ermelinda FreitasA Casa Ermelinda Freitas dedica-se à produção de vinho desde 1920. É uma empresa dinamizadora de uma região. Esta ligação é também parte do seu percurso de sucesso?
É uma casa que nasce humildemente como casa agrícola com vários produtos, mas a vinha foi sendo cada vez mais poderosa. Construiu-se depois a adega e, a pouco e pouco, tornou-se a principal atividade. Mas até eu chegar, há cerca de 29 anos, o vinho era todo vendido a granel.
Agora, acho que sim. Esta grande vivência, este grande enraizamento na região, com a região, o facto de ser uma família muito humilde que trabalhou muito a terra, mas com grandes valores, contribuiu para o sucesso. Para já levou a que eu voltasse para cá, o que não estava no meu percurso. E, depois, isto é uma grande família.

Mas quando se pensa que esta é uma Casa centenária, a pergunta é: como se conseguiu mantê-la, e às suas marcas, no mercado como empresa familiar, por mais de cem anos e ao longo de várias gerações?
E, ainda por cima, houve aqui uma situação: os homens da família morreram muito cedo. Eu encontro as partilhas feitas pela minha bisavó porque o meu bisavô faleceu muito cedo. Depois, a minha avó tinha 38 anos quando ficou viúva. Portanto, há aqui um grande papel das mulheres a aguentarem, naquelas alturas, uma casa agrícola e tomarem conta dos filhos. Há, de facto, uma história que é quase única e que traz um grande amor, um grande envolvimento de toda a família, transmitidos de geração em geração, sem se dar por isso. Foi o que aconteceu também a mim.

Porque esteve sempre por cá…
Eu saí mais tarde para estudar, mas vinha sempre aos fins de semana e nas férias. E a minha infância foi aqui, o amor que eles tinham pela terra, aquilo que sentiam e gostavam foi-me transmitido naturalmente. Quando o meu pai faleceu e a minha mãe viu que sozinha não tinha condições para levar a Casa adiante, eu estava a trabalhar noutro setor. Não sei explicar, mas não tive coragem de vender, porque achei que ia ser uma violência para com quem tanto tinha trabalhado. Depois, eu sou filha única…
Portanto, isto foi-se passando de geração em geração: os valores, o amor à terra, a alegria que eles tinham, a luta pelo trabalho e por ter de fazer cada vez melhor, o trabalhar em parceria com os trabalhadores. Isto é um lugarejo onde, ao fim e ao cabo, todos são família. E houve, de facto, mulheres muito fortes nestas gerações.

Os factos que a levaram a assumir a direção do negócio da família são conhecidos e, como referiu, era filha única. Foi acima de tudo um sentido de dever para com o negócio da família? A paixão pelo vinho já lá estava ou desenvolveu-se quando tomou as rédeas ao negócio?
O meu pai tinha apenas 59 anos quando faleceu. O que me levou a vir para cá foi manter o património pelo qual a família tanto tinha trabalhado e ao qual tinha tanto amor. Por isso achei que seria uma violência vender o negócio. Quando vim não sabia muito de vinho, mas sempre gostei muito de andar por aqui, pelas vinhas. As minhas brincadeiras eram com aquilo que eu via fazer: fazia searas de feijão, andava com o pessoal na vinha, sobretudo na minha infância. Eu adorava andar com eles e assistir ao trabalho. Como era filha única quem eu tinha eram os meus pais e os nossos colaboradores, que trabalhavam lado a lado com eles. E acho que fica uma marca da infância para o resto da vida, ficam-nos valores para o resto da vida, embora não pensasse em vir. Eu seria a geração que não viria para cá trabalhar. Tinha tirado o meu curso superior em Serviço Social e estava a trabalhar na Administração Regional de Saúde, o meu marido era engenheiro na Portucel e tínhamos a nossa vida organizada fora daqui. Às vezes pensava: “pode ser que algum dos meus filhos goste…”, mas não estava no meu projeto de vida vir. Nas férias vinha sempre ajudar, vinha nos fins de semana, mas era diferente, não sentia a responsabilidade. Mas quando pensava em vender, arrepiava-me toda. Não sou do género de pessoa que nunca está satisfeita com o que tem. E fui habituada a gerir, porque a agricultura sempre foi difícil e dura. Mas, de facto, tinha tudo o que precisava e nem sequer tive o entusiasmo de ficar com o dinheiro. Portanto, o que me fez vir foi, sobretudo, o amor e a paixão que a minha família me passava, por aquilo que eles tinham conseguido alcançar com muito esforço. Chego com uma motivação enorme e começo a aprender. E aprendia tudo o que ouvia. No fundo, tinha adquirido conhecimentos ao longo dos anos, que nem sabia que estavam cá, e comecei a ver que era aqui que me reencontrava, e que, aqui, era muito feliz. Gosto muito do negócio e não parei.

Mas foi uma grande mudança…
Eu não sabia sequer o que isto movimentava. Quem vive de dois ordenados, com uma vida estabilizada e tudo organizado, não gasta mais do que o que ganha… A minha filha tinha quatro anos e o meu filho tinha dez, eram muito pequenos. Nós mudamos, inclusivamente, de casa e viemos morar para a casa da minha mãe. Só o meu marido é que manteve a vida profissional, por isso, economicamente houve também um enorme esforço porque passei a viver apenas do ordenado dele. Mas o mais difícil foi adaptar-me à instabilidade económica e nos primeiros anos estava sempre a pensar que não iria conseguir ultrapassar essas dificuldades: as condições climatéricas, uvas que se estragavam, não ter dinheiro porque era preciso fazer um investimento permanente… Mas eu queria que a casa fosse para a frente.

Até porque muitas pessoas dependiam de si…
Sim, e tinha a minha mãe. Isto era a vida dela. Eu venho querer mudar, inovar e ela com receio porque eu tinha saído para estudar e a minha mãe via em mim mais a menina da cidade.

E também não deve ter sido fácil aceitarem-na. Atualmente há cada vez mais mulheres no setor dos vinhos. Mas não era o caso quando assumiu a empresa. 
Leonor Freitas - Casa Ermelinda FreitasNinguém esperava que eu viesse para cá. Os próprios funcionários que aqui trabalhavam tinham muita dificuldade em aceitar o que eu dizia. Já comprávamos uvas a outros produtores e houve que dissesse “eu não faço negócios com mulheres”. O meu marido estava cá apenas ao fim de semana, mas passavam a vida à procura dele. E ele teve um papel importante, que foi o de dizer-lhes: “Isso não é comigo, é com a Leonor. É ela que cá está”. Respondiam-lhe que não faziam negócios com mulheres e ele dizia-lhes que então, não iriam fazer negócios, porque teria de ser com a Leonor. O meu marido colocou-se sempre disponível para ajudar no que fosse preciso com os filhos e o restante, mas explicava que o negócio era com a sua mulher.
Houve várias histórias. Por exemplo, ser eu a única mulher em reuniões da AVIPE (Associação de Viticultores do Concelho de Palmela) e ouvir o coordenador nas reuniões dizer “minha senhora e meus senhores”. Teve de haver, da minha parte, uma grande afirmação: assumir “é isto que vou fazer”, transmitir e impor. E também um cuidado e uma preparação enorme para não falhar. Agora já tenho margem para falhar, mas na altura não tinha. Para que as pessoas viessem a ter confiança em mim, viessem a respeitar-me, eu não podia falhar em nada.
Houve vários ‘testes’, digamos, para perceberem até onde eu manteria a minha segurança. A minha suposta insolvência foi falada várias vezes, quando o negócio até estava a correr bem. Iam dizer à minha mãe que eu estava só a gastar dinheiro e que ia tudo correr mal – quando comecei a introduzir castas porque só tínhamos duas, Castelão e Fernão Pires, ou quando comecei a fazer vinho. Percebo que a minha mãe sofreu imenso. Os meus primos tinham adegas e ela dizia-me: “os teus primos guardam dinheiro e tu gastas tudo”. Mas depois começou a ter segurança em mim.

Até porque implantou uma revolução no negócio da família. Quais foram as alterações que mais influenciaram o sucesso da casa a partir da sua chegada?
Das grandes metas, há uma que foi marcante nas decisões: a minha ida a Bordéus, França. Quando assumi, como sabia pouco do setor e queria atualizar-me, comecei a ir às instituições – a Comissão Vitivinícola, o IVV. E percebi que iam todos a uma feira internacional em Bordéus. Perguntava-lhes o que iam fazer àquela feira e respondiam que não era para mim porque ainda não tinha vinho engarrafado ou perguntavam o que ia eu fazer em Bordéus. Aquelas respostas deram-me uma vontade enorme de ir, afinal, ver o que não era para mim. Pedi ao meu marido para tirar três dias de férias e lá fomos os dois num Renault Clio comercial, o carro que eu tinha na altura, numa viagem direta daqui a Bordéus. Ainda hoje tenho esse carro.
Quando cheguei á feira percebi que tudo aquilo era deslumbrante, que tratavam os vinhos com uma dignidade que eu não estava a dar e isso abriu-me os horizontes. Acabei por encontrar um primo que trabalhava no setor dos vinhos e ali estava com um amigo: o enólogo Jaime Quendera, ainda estudante de enologia, que eu não conhecia, embora ele seja daqui. O meu primo apresentou-me o Jaime, disse-me que no dia seguinte iam visitar alguns chateâux para conhecer as adegas e fomos com eles. Visitamos vários chateâux e apercebi-me que a área de vinha daquelas vitivinícolas era mais pequena do que a minha – na altura eu tinha 60 hectares e lá, quem tinha 18 hectares era grande.
Ainda não havia este edifício moderno de adega, apenas a adega antiga, não tinha escritórios porque quem vendia vinho a granel não precisava. E vim de lá a saber que tinha de construir uma adega nova, que tinha de dignificar o vinho, e criar uma marca. Regressei cheia de ideias, mas não tinha dinheiro. Não desisti e comecei a desenhar o que poderia fazer. Durante as visitas aos châteaux, vi que o Jaime Quendera era um jovem muito entusiasmado e percebi que iria longe. Uns tempos depois de voltar da feira fiz-lhe uma proposta de trabalho. E foi assim que ele se tornou enólogo desta Casa, sem ainda ter sido em mais nenhum sítio. Com isto tudo, já lá vão uns 30 anos. Começamos esta parceria ainda a fazer vinho para vender a granel, mas fomos evoluindo os dois.

Houve logo uma aposta no bag-in-box…
Sim, mas apostei por necessidade. Nós vendíamos vinho a granel há muitos anos, sempre para a mesma empresa. Tinha uma marca, a Terras do Pó, mas o meu grande negócio era o vinho a granel. Mandava-lhes as amostras todos os anos, depois negociávamos preços e correu sempre bem. Mas há um ano em que essa empresa me diz que não vai comprar o nosso vinho, porque não precisava. Imaginei o que iria fazer da minha vida. Estive dois dias a pensar, dia e noite, e resolvi avançar para o bag-in-box para vender o vinho que tinha.
Chamei o Jaime e disse-lhe que iríamos fazer um bag-in-box, numa altura em que este produto não era associado a boa qualidade. Mas tínhamos vinho de qualidade que iria fazer a diferença. Eu tinha já uma marca registada, a M. J. Freitas – Manuel João de Freitas, o nome do meu pai – comecei a vender e as pessoas perceberam que o vinho era muito bom para o segmento bag-in-box da altura. Tomou tal proporção que ainda hoje o bag-in-box é um produto importante nesta Casa, quer para o mercado português, quer para exportação.
Foi a partir daí que cortei a ligação com a empresa que comprava o nosso vinho e comecei a criar as marcas, a ir para o mercado, sempre com vinho de qualidade com uma boa relação de preço. E assim a Casa Ermelinda Freitas foi crescendo.

Mas a primeira marca criada foi ‘Terras do Pó’…
 Sim, foi a ‘Terras do Pó’, a partir do nome desta localidade, Fernando Pó. Eu queria registar Terras e Areia, porque estas terras são de areia, mas já existia a marca. Foi a minha filha, que ainda era pequena, quem sugeriu Terras do Pó.
Ter começado a engarrafar e a criar as marcas foi outro momento marcante no meu entender, juntamente com o ter saído daqui para estudar e a decisão de ir a Bordéus. O facto de engarrafar tornou a Casa conhecida, deu-nos o nosso mercado. Outro fator importante foi a imagem das garrafas, que na altura foi inovadora. Fomos para as cápsulas com riscas quando eram todas pretas, para rótulos com cores numa altura em que não os associavam a qualidade.

Que outras inovações contribuíram para o crescimento da Casa? A introdução de castas não autóctones e até estrangeiras não terá sido um processo de fácil aceitação….
Foi muito difícil, mas também uma enorme inovação. Eu comecei a ir às feiras internacionais e a ver que se não tivesse castas conhecidas, e até estrangeiras, que os compradores reconhecessem, não provavam as nossas. A primeira que plantamos foi uma casta portuguesa muito conhecida, a Touriga, mas ninguém acreditava que desse certo porque dizia-se que nesta região só se davam bem a Castelão e a Fernão Pires. Ninguém tinha outras castas, fui a primeira a introduzi-la. E também aí a minha mãe sofreu imenso porque iam dizer-lhe que eu andava a gastar dinheiro a plantar vinha que não ia produzir.
Mas eu não desisti e tenho neste momento 30 castas diferentes, que permitem uma ativação permanente da marca, porque temos sempre novidades. Estou sempre a inovar, tenho castas pouco conhecidas, como a Gravo Stamina, a Carmenere. E dá-nos grande alegria ver que uma casta chilena, como é o caso da Carmenere, tem aqui um comportamento diferente. Merlot, Cabernet, Syrah, Pinot Grigio são castas que se dão muito bem aqui. Dão-me um leque enorme de possibilidades junto dos consumidores e nas feiras internacionais. Estamos em todas neste momento e os compradores podem provar e perceber o comportamento das castas. Provam um Cabernet e depois damos a provar uma casta típica da região, como o Castelão.
Outra inovação que marcou foi o novo centro de vinificação, inaugurado em 2016, porque passamos de uma adega tradicional para uma moderna, com toda a tecnologia que permite fazer os melhores vinhos. Temos vários tipos e dimensões de cubas, temos os estágios dos vinhos. Porque queremos ir ao encontro de todos os consumidores, todos os mercados, mas sempre com qualidade. E mesmo o vinho mais barato, tem qualidade, tem dignidade. Uma Casa que quer evoluir, e tem sido esse o caso, não pode estar parada, tem de inovar constantemente, antecipar-se.

E numa região de terras de areia, produz vinhos que já receberam inúmeros prémios, em Portugal e no estrangeiro. Este percurso passa também pela sustentabilidade da vinha?
Estamos numa grande região, a Península de Setúbal é uma região espetacular. Temos muita água, estamos entre dois rios, Tejo e Sado. Mas, sim, passa muito pela sustentabilidade da vinha. Nós tivemos, desde o início, uma grande preocupação com a sustentabilidade, quer na vinha com uso de produtos o mais ecológicos possíveis, quer em outras áreas. Estamos em proteção integrada, grande parte da energia para a adega é solar, temos uma ETAR (Estação de Tratamento de Águas Residuais). Temos uma grande área de vinhas velhas todas trabalhadas manualmente. Tenho vinhas com 72 anos, não dão lucro, mas dão grandes vinhos. Há um equilíbrio: vamos reestruturando vinhas, mas deixamos sempre uma parte antiga, propositadamente, e, enquanto pudermos, vamos mantê-las. E mesmo quando vamos para a mecanização, e tem de ser até porque há falta de mão de obra, utilizamos as que são menos agressivas, que menos danificam, que gastam menos energia possível. A desinfeção das máquinas é feita a vapor e não com produtos químicos.
Portanto, a sustentabilidade foi, é, e será uma grande aposta e há muito ainda a fazer. Há muita água nesta região, mas ela não é infindável e temos de a poupar. Um dos grandes objetivos é aproveitar a água da ETAR para regar a vinha e estamos, neste momento, a ver qual é a melhor forma de o fazer. Já aproveitamos para a rega, a água de arrefecimento dos depósitos.

Quantos hectares de vinha tem a Casa Ermelinda Freitas?
Temos aproximadamente 550 hectares. Mas como vamos reestruturando, neste momento temos 470 hectares a produzir. E tenho uma grande responsabilidade social na região porque compramos uvas e damos apoio a mais de 100 pequenos produtores, que não têm adega. Compro há muitos anos e tantas uvas quanto as que tenho. Este ano foi difícil, houve empresas que não compraram uvas aos seus produtores, mas eu comprei. Aqui na região não deixei nenhuma uva na terra. Ajudei, aqui ao lado, no Alentejo, porque houve excesso de produção e aquilo que eu pude, comprei. Acho que temos de nos ajudar e ser um todo. Quando alguma coisa corre menos bem, a minha grande preocupação são os produtores e os nossos funcionários, que trabalham aqui há muitos anos, há gerações. Fazem parte desta família, desta Casa, são eles que nos têm ajudado e é com eles que crescemos.

Como correu a campanha 2023/2024? Houve um aumento no volume de produção?
Houve um grande aumento de produção. Fizemos mais três milhões de litros do que o habitual. O volume total esteve perto dos 14 milhões de litros. Portanto, correu bem embora fosse um ano muito difícil em relação às condições climatéricas. É aí que, cada vez mais, as adegas têm de estar preparadas. Há mudanças climatéricas e temos de ter adegas prontas para fazer as vindimas no tempo adequado, para poder receber as uvas em quantidade e dar resposta às máquinas de vindimar que apanham a uva no momento certo. Têm de ter frio, porque hoje, com o calor, se formos fazer vinho com altas temperaturas altera-se as características que a uva.

Quantas marcas de vinho a Casa tem no mercado?
São muitas, porque é por ‘famílias’ que fazemos os vinhos. Por exemplo, do Dona Ermelinda fazemos o Tinto, o Branco, o Reserva, o Branco Reserva, o Grande Reserva. E lançamos agora o Rosé, estamos muito contentes com este lançamento porque fazia falta à gama. O gosto dos consumidores vai mudando e temos de nos adequar, porque o vinho não é para nós bebermos, é para o consumidor. Temos muito prazer naquilo que fazemos, mas temos de nos adaptar ao consumidor. Por isso fazia-nos falta uma Rosé na gama Dona Ermelinda.
E depois temos os ‘nichos’, como o Leo d’Honor, feito com a casta Castelão, na vinha de 72 anos e apenas em anos de grande qualidade. Outro exemplo é o Moscatel, que existia nesta região só na zona de Azeitão, mas que se dá muito bem nestas terras de areia, porque apanha umas características diferentes da serra. Temos o Moscatel de Setúbal, o Moscatel de Setúbal Superior e o Moscatel Superior Roxo, que é um ex-libris da Casa. Todos os nossos moscatéis, mesmo o mais económico, estagiam no mínimo três anos em barrica e temos mais de quatro mil barricas. E temos vinhos para os mercados exteriores, adequados àquilo que o importador quer. Há aqui um grande investimento na qualidade.

E tem vinhos para a restauração e para as insígnias alimentares?
Temos uma gama distribuída na restauração e fazemos gamas para as grandes superfícies, porque é nas grandes superfícies que se faz volume e temos de ser competitivos. Como a gama Vinha da Valentina, exclusiva no Continente, a gama Vinha do Torrão, apenas para o Pingo Doce, a gama Vinhos da Arrábida, distribuída no Recheio.

E, entretanto, decidiu ‘sair’ da região e alargar a Casa Ermelinda Freitas ao Minho e ao Douro, com a aquisição da Quinta do Minho, em Póvoa de Lanhoso, e da Quinta de Canivães, em Foz Côa. O que a levou a investir ‘fora’ e porque aquelas regiões?
Esta é a base e aqui será sempre a casa mãe. Mas quando fui ao Douro, já depois de estar no setor, emocionei-me. Aqui é tudo plano, mais fácil de trabalhar. O Douro tem aqueles socalcos, aquele contraste com o rio, achei maravilhoso e pensei que gostaria muito de ter ali uma quinta. Por questões económicas, essa vontade foi adiada até porque tenho feito grandes investimentos aqui. Mas o sonho estava cá.
Quanto aos vinhos verdes, não tinha pensado nesse investimento. Mas um dia recebo um telefonema do grupo Super Bock, que detinha a Quinta do Minho, a perguntarem se estaria interessada em comprá-la. E, pensei: já que não compro no Douro, não está fora de questão investir no Minho, porque o Vinho Verde é um vinho diferenciador no estrangeiro. Fui ver a quinta e achei que era possível. Eles foram extremamente honestos no negócio, fiz uma contraproposta e foi aceite. Houve apenas o compromisso de fazer a escritura um ano depois. Nesse intervalo de um ano, aparece a Quinta de Canivães, perto de Foz Côa. Fui ver a quinta, não consegui deixar de lá ir, e correspondia ao meu sonho: vai em socalcos até ao rio, tem 900 metros de rio. O Jaime Quendera, que foi logo envolvido nas duas quintas, dizia-me que a do Douro era lindíssima, mas um sonho difícil de rentabilizar. Pensei muito, mas decidi que tinha direito a realizar um sonho e decidi comprar.
Assim, acabei a comprar duas quintas e estamos na fase de grande desenvolvimento de ambas. Da Quinta do Minho já temos vinhos no mercado, é-nos mais fácil de rentabilizar porque já tinha adega e linha de engarrafamento. Ali, o nosso topo de gama é o Quinta do Minho e já estamos a exportar os verdes.
A Quinta de Canivães não tem adega, temos vendido uma parte das uvas e vamos lançar brevemente um vinho do Douro, um Reserva. Mas a quinta produz azeite, com a marca Quinta de Canivães. São apenas quatro hectares, mas estou encantada por ter azeite e este é muito bom, é um produto que complementa.
Não tem sido fácil, até porque não é fácil começar noutras zonas, há sempre questionamentos. Mas temos de aprender a viver na região, a adaptarmo-nos à região, e irmos inovando e crescendo. Estou a aprender a viver com as regiões e com as pessoas com humildade e as coisas hão-de correr bem.

A internacionalização da Casa tem a sua assinatura. Quando percebeu que era preciso crescer fora do território nacional? Começou pelo ‘mercado da saudade’?
Lembro-me perfeitamente. Na altura em que comecei, não era prestigiante o ‘mercado da saudade’. Mas, para mim, é o contrário. O chamado ‘mercado da saudade’ é aquele a que temos de agradecer. Os portugueses estão espalhados pelo mundo, são uma porta aberta para entrarmos e aproveitei muito esse mercado. Estou-lhes muito grata. Ainda hoje recebo emails e telefonemas a perguntarem onde podem encontrar os vinhos. Não é por acaso que um dos meus principais mercados externos é o Luxemburgo.

Exporta para quantos países e quanto representa a exportação?
Exportamos para 42 países. Nós faturamos cerca de 40 milhões de euros e a exportação representa 35% das vendas. O meu primeiro mercado é o Reino Unido, Luxemburgo é o segundo, o terceiro é a Holanda. Seguem-se Brasil, Polónia, Alemanha e Estados Unidos da América. E temos uma grande hipótese de crescimento para Alemanha, Polónia e Brasil.

Há novos mercados?
Sim. Por exemplo, estamos no Gana e a crescer. Estamos também na Colômbia e no México e a trabalhar para entrar no Vietname. A Índia é um grande mercado, difícil, mas que temos de tentar. Sempre que aparece uma oportunidade, não a perdemos. Às vezes com muito esforço, mas sempre na perspetiva de virmos a valorizar a nossa presença. A nossa grande perspetiva é na exportação. Acreditamos que temos um grande leque de oportunidades. Nós não desistimos, vamos uma, duas, três vezes.

A Casa Ermelinda Freitas já recebeu mais de dois mil prémios, a nível nacional e internacional. Mas o premio de Melhor Vinho Tinto do Mundo atribuído ao seu Syrah 2005 no Vinailes Internacionales em 2008, entre mais de três mil vinhos a concurso, foi um marco? Houve um antes e depois, na exportação?
Houve, sim. Aliás, todas as medalhas que conquistamos no estrangeiro ajudam muito. Mas aquele prémio foi especial. O produto era muito bom, é um facto, mas também tivemos de ter sorte. Porque quando concorrem 360 produtores de 38 países e chega à final um vinho português, já é muito bom. E ser da Casa Ermelinda Freitas, foi espetacular. O concurso envia todos os anos a sua documentação para concorrermos e em 2009 lá vinha a garrafa do Syrah 2005 a dizer “concorra, queira ser como este”. Isto correu o mundo. Foi um marco e ajudou-nos muito a sermos conhecidos, porque estávamos ainda no início na exportação.

As feiras internacionais e os eventos trazem sempre visibilidade…
Nós temos uma grande consistência de presenças internacionais. Os compradores estão habituados à nossa presença e vão à nossa procura. Tal como estamos também presentes nos festivais em Portugal. Foi ao mesmo tempo arrojado e um risco. Pensamos, ponderamos e achamos que tínhamos que ir onde estão os jovens, mas sempre com a grande preocupação de passar a mensagem ‘wine moderation’. Começamos por marcar presença no Festival Santa Casa Alfama e já estamos também em outros, como o Festival Sudoeste, na Zambujeira do Mar. São grandes investimentos, porque temos pavilhão próprio com todos os equipamentos necessários, mas é a nossa imagem que lá está e ficamos surpreendidos com a afluência. Nunca pensei que as pessoas fossem comprar um copo de vinho para beber sem mais nada, mas vão. Temos de estar com dignidade, mas deixar-nos de querer ser elitistas, porque, senão, perdemos a população. Estamos nos festivais não por uma questão económica, mas por presença e afirmação da marca e também para transmitir a ideia de que o vinho é um bem de partilha.

Que projetos estão pensados ou a ser já desenvolvidos para este ano?
Na Casa Ermelinda Freitas não há nenhum ano sem projetos. Tivemos o projeto das grutas, com grande sucesso. Estagiamos 12 mil garrafas nas grutas de Mira de Aire. O responsável pelas grutas gostava muito do vinho da Casa Ermelinda Freitas e faz lá jantares e apresentações de vinhos. Um deles foi ‘Vinhos com Dona Ermelinda’ e deixou umas garrafas nas grutas, a 80 metros de profundidade. Passados dois anos, encontrou-se com uma pessoa que, por acaso, é nosso amigo, e foi buscar o vinho às grutas para abrir. Bebeu, percebeu a diferença e disse que o vinho estava muito melhor. O nosso amigo concordou e disse-lhe que nos conhecia.
Nasceu ali a ideia de estagiarmos o vinho nas grutas de Mira de Aire. Fizermos um investimento muito grande porque tivemos de usar materiais que não fossem corrosivos, que não interferissem nas grutas, tivemos que contratar pessoas que levaram o vinho até 80 metros de profundidade – com mochilas às costas e ao peito, para equilibrar. O vinho deveria ter estado ali dois anos, mas esteve cinco por causa da pandemia. Tiramos seis mil garrafas, fizemos o lançamento e o ‘Vinho das Grutas’ tem sido um sucesso enorme. Provamos, no lançamento, o vinho que ficou cá e o que estagiou nas grutas e a diferença é grande: o vinho está mais jovem, mais frutado. Tiramos depois mais seis mil garrafas e colocamos outras. É um projeto para manter.
Além disso, há castas novas que vamos lançar, porque começam agora a dar uvas. E vamos, de certeza, lançar dois grandes vinhos, possivelmente no segundo trimestre. A ativação da marca é isso…

Nesta sua missão de continuar a fazer crescer a Casa Ermelinda Freitas…
Tenho cá já a quinta geração, os meus filhos. A minha filha está sempre cheia de ideias e eu, por enquanto, também. Tenho sempre muitos projetos, é muito bom trabalhar com a juventude. Até me esqueço da idade. E temos que nos adaptar ao crescimento contínuo. Nada é estático, a sociedade é dinâmica.
Temos de ir arredondando os espinhos da rosa, porque também há muitos espinhos. Eu falo tão entusiasmada que às vezes parece que isto é só uma maravilha, e não é. Mas tenho uma filosofia de vida: não desistir, lutar, ajudar. E ir arredondando os tais espinhos da rosa, para que ela fique bonita, mas com a humildade de saber que ela nem sempre se mantém. Temos de estar muito atentos e sempre a acompanhar a sociedade e o seu desenvolvimento.

Leonor Freitas - Casa Ermelinda Freitas“Ela quer, vamos apoiar”
Leonor Freitas, 71 anos, é o rosto da Casa Ermelinda Freitas, empresa vitivinícola fundada há mais de 100 anos pela sua família. Situada em Fernando Pó, concelho de Palmela, a propriedade tem 550 hectares de vinha. Após a morte do pai, Manuel João de Freitas, a mãe, Ermelinda, viu-se sozinha a gerir os destinos da Casa e a filha teve de tomar uma decisão: vender ou assumir o negócio. Deixou para trás a profissão de assistente social e tomou as rédeas do negócio. “Não sei explicar, mas não tive coragem de vender”, conta.
Ter saído de Fernando Pó para continuar os estudos fez a diferença na hora de regressar. “Quando cheguei para assumir, tinha nitidamente a perceção da importância da evolução, da mudança”, conta Leonor Freitas ao Hipersuper. E ter estudado, deve-o, principalmente, o pai. “Tenho de agradecer à minha família, já que na minha altura as mulheres só completavam a 4ª classe. Não havia luz, estudei com um candeeiro a petróleo, mas queria muito continuar os estudos e tive a sorte de ter um pai com abertura para questionar porque eu não haveria de estudar só por ser mulher. ‘Ela quer, vamos apoiar’, disse o meu pai”.
Foi, então, estudar para fora e para além dos livros e da mala levou uma recomendação. “Eu não podia perder nenhum ano e nem começar a namorar, senão regressava imediatamente a Fernando Pó. Correspondi sempre porque não queria era voltar. E, no fim, venho acabar a minha vida em Fernando Pó. Veja como tudo isto muda”, confidencia ao Hipersuper.
Regressou, agarrou num negócio de vinho a granel com 60 hectares de produção e apenas duas castas plantadas, e transformou-o numa Casa e numa marca que fatura cerca de 40 milhões de euros, com a exportação a representar 35% das suas vendas, e que produziu em 2023 quase 14 milhões de litros de vinho.

Entrevista publicada na edição 420 do Hipersuper

Sobre o autorAna Grácio Pinto

Ana Grácio Pinto

Artigos relacionados
AEP realiza missão empresarial aos EUA
Exportação
Campanha da Cruz Vermelha com insígnias alimentares permitiu dar 600 mil refeições
Retalho
Lusocargo anuncia parceria com operador logístico dos Países Baixos
Logística
Nova loja Bricomarché em Estarreja
Retalho
Indústria alimentar e das bebidas exportou 3.345 milhões de euros nos primeiros cinco meses
Exportação
Intermarché abre em Torre de Moncorvo: novo ponto de venda representa investimento de 4 milhões de euros
Retalho
Digital With Pupose Award atribuído a solução de IA para triagem de salmões invasores na Noruega
I&D
Há 40.451 empresas exportadoras em Portugal
Exportação
SodaStream apresenta novos sabores Pepsi
Bebidas
Adega Mayor celebra 17 anos com o lançamento de novos vinhos
Bebidas
PUB
Vinhos Código
Bebidas

No Rules Wines quer promover o melhor do Dão e elevar esta região vitivinícola “a um patamar superior”

A No Rules Wines junta trio do Dão: o enólogo Tiago Macena, o empresário António Sousa Martins e o consultor internacional de vinhos, Cláudio Martins.

Hipersuper

Há dois anos no mercado, a No Rules Wines, fundada por António Sousa Martins, Cláudio Martins e Tiago Macena, nasceu com vontade de se distinguir pela irreverência e autenticidade de fazer “vinhos tranquilos do Dão sem regras”, honrando a tradição do Dão, mas procurando “elevar esta região vitivinícola a um patamar superior”.
Este é o terroir base do projeto, que surge com o objetivo principal de “expressar uma enologia que mostre a origem das uvas”, através de um investimento inicial de 1 milhão de euros.
“Temos alguns vinhos menos usuais, tirando partido do potencial enológico da região e da nossa vontade de arriscar em alguns vinhos. A maior parte dos vinhos são DOC Dão, mas também temos vinhos Indicação Geográfica Protegida (IGP), nos quais nos é permitido o trabalho com outras técnicas e castas”, afirma Tiago Macena, em comunicado.Código foi a primeira marca de vinhos apresentado ao mercado, com quatro propostas, entre brancos e tintos, e que em poucos meses, viu esgotado o stock de cerca de 3 mil garrafas de cada referência. Em breve, uma sala de provas, à porta fechada, na adega que a empresa tem em Nelas vai permitir receber entusiastas por experiências vínicas fora da caixa, avança a No Rules Wines.
A aquisição de uma vinha no Douro também está nos planos do trio.

A No Rules Wines foi fundada por António Sousa Martins, Cláudio Martins e Tiago Macena.

Autenticidade, Sustentabilidade e Transparência são os pilares principais da empresa, que já marca presença em alguns mercados internacionais, concretamente em Angola e Reino Unido. Para António Sousa Martins, o objetivo é “continuar a explorar novos mercados” e posicionar a No Rules Wines, com sede em Oliveira do Hospital, entre as melhores do setor vinícola. “Desde a produção de vinhos mais requintados, em poucas quantidades e valores mais elevados, a vinhos ‘simples’ e ‘descomplicados’, a preços mais acessíveis e em maiores volumes, a empresa quer ‘promover o melhor do Dão’”, sublinha
Encruzado, Granius, Origem, Solstício, Bical e Uva Cão são os seis vinhos que fazem parte da marca Código.

Vinhos que “mercado está a absorver de forma extraordinária”

O Código Origem Branco, Solstício e o Granius 22, chegaram ao mercado no segundo semestre 2023 e rapidamente foram absorvidos pelos consumidores. Seguiu-se um monovarietal, o Encruzado 2022, no início de 2023.
Em maio, chegaram ao mercado as novas colheitas (Código Origem Tinto 22 e Origem Branco 23) que “vieram reforçar a oferta para uma procura que o mercado está a absorver de forma extraordinária”, afirma Cláudio Martins.
Para os colecionadores especiais, há uma edição limitada, de seis garrafas.
Em julho, do Código serão lançadas novas colheitas de Bical e Uva Cão e duas novas referências Infusão Subtil e Manifesto.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Alimentar

Faturação da ElPozo Alimentación cresce 8,5%

A El Pozo Alimentación, que celebra este ano o seu 70º aniversário, fechou o exercício de 2023 com uma faturação de 1.804,3 milhões de euros, um crescimento de 8,5% face […]

Hipersuper
tagsElPozo

A El Pozo Alimentación, que celebra este ano o seu 70º aniversário, fechou o exercício de 2023 com uma faturação de 1.804,3 milhões de euros, um crescimento de 8,5% face ao ano anterior. Esta evolução resulta do posicionamento de marca e da inovação em produtos de elevado valor acrescentado, refere a empresa em comunicado.

A El Pozo Alimentación refere que investiu 76,5 milhões de euros, tanto em ativos tangíveis quanto intangíveis e  tem concentrado os seus esforços na investigação, formação e desenvolvimento dos seus produtos e marca.
Segundo a empresa, entre os lançamentos mais importantes estão a linha +Proteínas ElPozo Bienstar, com produtos fatiados e semicozidos ricos em proteínas, um segmento em crescimento, a La Croquetería, uma gama de empanados gourmet e a marca ElPozo KING UPP,  anunciada como a proposta mais jovem e inovadora da empresa.

Renovação

A marca ElPozo renovou a sua imagem com o rebranding da sua linha mais artesanal, ElPozo 1954, incluindo um novo logótipo, designs, formatos e uma nova campanha de comunicação com a banda murciana Viva Suecia. A lista de embaixadores da empresa, que já incluía o tenista Carlos Alcaraz, foi ampliada com José Coronado para o Legado Ibérico e Olga Carmona para a ElPozo Bienstar.

A empresa, integrada na holding Grupo Fuertes,  lembra que realizou vários projetos de infraestruturas, entre os quais se destacam a implementação de uma unidade de biotecnologia, a construção de um parque fotovoltaico para autoconsumo elétrico e a criação de um novo centro de congelação de carne.

Exportação

A ElPozo, que encerrou o exercício de 2023 com uma equipa média de 5.159 pessoas, está presente em mais de 80 países e tem como objetivo continuar a aumentar a sua quota de exportações, consolidando a sua presença nas áreas geográficas com mais potencial, tendo alcançado este ano um volume de negócios no estrangeiro de cerca de 20 por cento da sua faturação.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Produção

Marcelo Rebelo de Sousa inaugurou a Feira Nacional de Agricultura

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, inaugurou este sábado a Feira Nacional de Agricultura / Feira do Ribatejo (FNA 24), certame que decorre no Centro Nacional de Exposições, […]

Hipersuper

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, inaugurou este sábado a Feira Nacional de Agricultura / Feira do Ribatejo (FNA 24), certame que decorre no Centro Nacional de Exposições, em Santarém, e que se prolonga até ao dia 16 de junho.
Este ano o evento comemora três aniversários: os 70 anos da Feira do Ribatejo, o 60º aniversário da Feira Nacional de Agricultura e os 30 anos de atividade do CNEMA.
Na entrada principal do CNEMA, o visitante é convidado a viajar numa exibição retrospetiva de todo o histórico do evento – a exposição “O Início”. E foi mesmo Marcelo Rebelo de Sousa o primeiro a fazer o percurso e a saudar a iniciativa.
Pecuária Extensiva, é o tema deste ano, atividade que ocupa uma área de 64% da superfície agrícola útil em território nacional, com um papel determinante na sustentabilidade e na preservação dos espaços rurais do país.

Presidente da República enaltece importância da FNA

No âmbito da exibição de um breve excerto alusivo ao documentário sobre a história e evolução do evento, o Presidente da República salientou a importância do certame para a “agricultura portuguesa” e para os agricultores.
O chefe de estado português afirmou que a “feira representa muito por Portugal, pela agricultura portuguesa, pela riqueza natural portuguesa, pela biodiversidade, raças autóctones, pelo labor pelos agricultores, e por aquilo que é uma componente fundamental da riqueza do nosso país”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.

Santarém acordou em festa

Santarém recebeu logo de manhã o habitual desfile de campinos e de gado, que percorreu as ruas do centro da cidade e que contou com a presença de diversas entidades e grupos locais que animaram a manhã em pontos estrategicamente definidos.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Distribuição

Auchan reforça compromisso com a proteção dos oceanos e junta-se à campanha da MSC

“Na Auchan, a sustentabilidade é um pilar estratégico e, por isso, aliamos a qualidade dos nossos produtos à necessidade de preservação do planeta.” destaca Rita Cruz, diretora de responsabilidade corporativa ambiental e social da Auchan Retail.

Hipersuper

A Auchan reforça a sua visão 2032 – Alimentar uma Vida Melhor e Preservar o Planeta – e junta-se à campanha da Marine Stewardship Council (MSC) que tem como mote ‘A Pesca Sustentável significa mais peixes’.

Com um compromisso assumido com a sustentabilidade, a Auchan assume, desde 2009,  uma política de comércio sustentável de pescado destacando-se dois compromissos da retalhista: a diminuição, suspensão ou cessação da comercialização das espécies que se identifiquem ameaçadas, tal como fez, em 2008, com todas as espécies de tubarão ameaçadas, tornando-se, assim, na primeira insígnia de distribuição internacional a implementar esta medida de resposta à situação de sobrevivência deste peixe emblemático; e, privilegiar a oferta de produtos provenientes de pesca sustentável ou com menor grau de risco para a biodiversidade. Exemplo disso são o Bacalhau Produção Controlada Auchan comercializado desde 2019 e a Pescada Congelada Auchan, ambos com uma certificação MSC, exemplifica a retalhista.

“Na Auchan, a sustentabilidade é um pilar estratégico e, por isso, aliamos a qualidade dos nossos produtos à necessidade de preservação do planeta. Já temos uma oferta de produtos da nossa marca com certificação por parte de entidades com quem colaboramos na procura por alimentos que promovam uma vida melhor para os nossos clientes. A campanha da MSC, em defesa dos nossos oceanos e da pesca sustentável, está muito alinhada com os nossos objetivos e, por isso, fez todo sentido podermos juntar-nos a esta causa”, explica Rita Cruz, diretora de responsabilidade corporativa ambiental e social da Auchan Retail.

“No MSC, valorizamos e apreciamos enormemente o apoio da Auchan Retail pela pesca sustentável e pelo trabalho que a nossa organização está a fazer em Portugal. Estamos convencidos de que, graças ao apoio de retalhistas como a Auchan Retail a iniciativas como o Dia Mundial dos Oceanos, avançamos para uma maior consciencialização da sustentabilidade do mar e dos seus produtos na sociedade em geral”, afirma Laura Rodríguez, diretora da MSC Portugal e Espanha.

Para assinalar e promover a preocupação com os oceanos, a MSC lançou uma campanha, que estará no ar até ao final de junho, e que pretende destacar o impacto positivo da pesca sustentável na preservação da vida marinha. Assim, na Auchan, existe uma seleção de produtos que têm o selo de certificação da MSC, que atestam a origem, confiança, credibilidade e manuseamento de peixes selvagens e outros produtos de mar.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Hipersuper

Mercadona promove conferência “Semear o Futuro” na Feira Nacional de Agricultura

A conferência Semear o Futuro é uma das iniciativas da Mercadona na Feira Nacional de Agricultura, em Santarém, de 8 a 16 de junho.

Hipersuper

A Mercadona volta a marcar presença, de 8 a 16 de junho, na Feira Nacional de Agricultura, em Santarém.

Tal como em anos anteriores, a empresa estará presente no espaço dedicado ao “Portugal Sou Eu”, iniciativa do Ministério da Economia que visa a dinamização e valorização da oferta nacional, criada há mais de uma década, reforçando o seu compromisso de colaboração com a produção nacional, iniciado já antes de a empresa ter presença física em Portugal, e reforçado com o acordo com a CAP, também parceiro deste programa.

“Marcar presença, uma vez mais, na FNA, representa uma excelente oportunidade de estar mais perto dos “Chefes” (clientes) e mostrar à Sociedade o nosso compromisso com o Sector Agroalimentar Nacional. A Mercadona continua a apostar na produção nacional, compromisso que temos vindo a reforçar ano após ano e que, em 2023, representou 1.178 milhões de euros em compras aos nossos 1.000 fornecedores nacionais.” sublinha Pedro Barraco, diretor de cadeia agroalimentar da Mercadona, em comunicado.

Cozinha com a Mercadona”

A Mercadona estará presente com ações de “showcooking” através de um conjunto de oito receitas criadas em parceria com a Chef Tia Cátia. A empresa convidou também alguns dos seus Fornecedores a estarem presentes e a fazerem provas com os seus produtos à venda nos supermercados Mercadona em território nacional.

1ª Conferência Semear o Futuro

Este ano, em parceria com a CAP, Confederação dos Agricultores de Portugal, a Mercadona criou o projeto “Semear o Futuro”, uma iniciativa dedicada a explorar e promover a importância do setor agroalimentar em Portugal e que culmina com uma conferência, no dia 13 de junho, na sala Ribatejo, no CNEMA.
Este evento, cujas inscrições se encontram abertas, contará com intervenções de especialistas no setor.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Fotografia Fruit Attraction

Fotografia Fruit Attraction

Exportação

Fruit Attraction já tem mais de 90% do espaço de exposição ocupado

A Fruit Attraction, marcada para os dias 8, 9 e 10 de outubro, em Madrid, tem alocados 65.000 m² de espaço de exposição, um aumento de 39% em comparação com o mesmo período do ano passado. A organização antecipa a participação de mais de 2.000 empresas de 55 países, apresentando 70.000 m² com produtos frescos e mais de 100.000 profissionais de 145 países.

A Fruit Attraction, marcada para os dias 8,9 e 10 de outubro em Madrid, já tem mais de 90% do espaço de exposição ocupado.

A quatro meses do evento, a organização avança que foram alocados 65.000 m² de espaço de exposição, um aumento de 39% em comparação com o mesmo período do ano passado. A organização antecipa a participação de mais de 2.000 empresas de 55 países, apresentando 70.000 m² com produtos frescos e mais de 100.000 profissionais de 145 países.

A feira confirmou a participação de quase todas as áreas de produção e Comunidades Autónomas de Espanha, bem como a participação internacional de 45 países, incluindo novos mercados como a Arábia Saudita e Hong Kong.

Pela primeira vez, a Fruit Attraction 2024 vai ocupar dez pavilhões (1-10) na IFEMA Madrid, transformando a cidade num epicentro global para o marketing de produtos frescos. Inovação, qualidade e diversidade são atributos chave deste importante centro de negócios, reconhecido por operadores e retalhistas em todo o mundo como essencial para planearem as suas campanhas no crucial mês de outubro.

Sob o tema “Descubra a Essência do Setor”, este evento líder para o setor de frutas e vegetais será organizado em torno de quatro áreas de exposição. A mais representada será novamente Fresh Produce, que exibirá uma ampla variedade de produtos hortícolas, além da Auxiliary Industry, que reúne toda a cadeia de valor da indústria, e Fresh Food Logistics, o espaço dedicado à logística, transporte e gestão da cadeia de frio para alimentos.

Uma novidade desta edição é a Innova&Tech, a nova área que reunirá os setores Biotech Attraction e Smart Agro, proporcionando um espaço para empresas focadas na inovação, pesquisa e desenvolvimento tecnológico em genómica

O abacate será o produto estrela deste ano, com várias iniciativas em torno deste superalimento, cujo sucesso tem crescido significativamente em Espanha nos últimos anos, tanto em termos de cultivo quanto de exportações. Além do Congresso “Abacate de Espanha”, a feira acolherá outras atividades, como uma liga na qual estudantes de escolas de hotelaria e catering espanholas competirão numa sessão de show cooking liderada por Daniel del Toro, bem como diferentes workshops e demonstrações.

Na sua próxima edição, a feira irá continuar a implementar iniciativas destinadas a impulsionar as vendas, promoção, desenvolvimento e crescimento das empresas expositoras. O Programa Internacional de Compradores será novamente acompanhado pela iniciativa de Países Importadores convidados, com foco principal na China e na Arábia Saudita. O objetivo passa por promover as relações comerciais entre os países da União Europeia e estes mercados fora da UE, apoiado por um programa completo de mesas redondas, visitas guiadas à feira e sessões B2B.

Mais uma vez, o The Innovation Hub e o Fruit Next serão as áreas dedicadas à inovação e novos desenvolvimentos comerciais na indústria. Neste contexto, a Fruit Attraction voltará a acolher os Innovation Hub Awards, que se tornaram um evento fundamental para apoiar o compromisso empresarial da indústria.

Como novidade, a Fruit Attraction apresentará os Best Stand Awards, reconhecendo os espaços de exposição que se destacam pela sua criatividade e design numa das três categorias: Comunidades Autónomas e Instituições, países e regiões, e empresas.

A feira também se irá tornar num centro de conhecimento, oferecendo um programa completo de sessões técnicas caracterizadas por uma grande variedade de conteúdos, bem como pelo elevado nível dos participantes e palestrantes. Entre outros, a Fruit Attraction irá acolher os congressos Grape Attraction, Biofruit Congress e Fresh Food Logistics The Summit.

Fotografia Fruit Attraction

Sobre o autorAna Rita Almeida

Ana Rita Almeida

Nuno Luz nomeado diretor-geral da FNAC Ibéria

Nuno Luz nomeado diretor-geral da FNAC Ibéria

Distribuição

Nuno Luz nomeado diretor-geral da FNAC Ibéria

O atual diretor-geral da Fnac Portugal, Nuno Luz, foi nomeado diretor-geral da Fnac Ibéria – Portugal e Espanha –, cargo que assumiu no início deste mês. Nuno Luz passa, assim, a integrar o […]

Hipersuper

O atual diretor-geral da Fnac Portugal, Nuno Luz, foi nomeado diretor-geral da Fnac Ibéria – Portugal e Espanha –, cargo que assumiu no início deste mês. Nuno Luz passa, assim, a integrar o Comité Executivo do Grupo Fnac Darty e irá reportar diretamente ao CEO do Grupo Fnac Darty, Enrique Martinez.

Por sua vez, Domingo Guillén Figuerola, atual diretor de vendas omnical da Fnac Espanha, assumirá as funções de diretor-geral da Fnac Espanha, sucedendo a Annabel Chaussat, que ocupa a posição até 15 de junho de 2024. Domingo Guillén Figuerola ficará sob a responsabilidade hierárquica de Nuno Luz.

Nuno Luz iniciou o seu percurso na Fnac Portugal como diretor comercial, em maio de 2016, e assumiu a direção geral da empresa em outubro de 2017. Sob a sua liderança, a Fnac consolidou o seu crescimento e desenvolvimento de forma sustentada, impulsionados pela abertura de novas lojas FNAC e Nature & Découvertes, pela aquisição da PC Clinic e pelo aumento da venda de serviços. Recentemente, encabeçou, com sucesso, a operação de aquisição da MediaMarkt, em Portugal. 

É de recordar que o mercado ibérico é um mercado estratégico para o Grupo Fnac Darty, tendo registado 732 milhões de euros de vendas, em 2023. Na Península Ibérica, o Grupo conta com 88 lojas do universo Fnac.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Bebidas

Ervideira lança o 15º Invisível e celebra mais de um milhão de garrafas deste monocasta

A Ervideira lançou a 15ª edição do seu vinho de maior sucesso. O Invisível, um branco, feito a partir de uvas tintas da casta Aragonez, foi um marco inovador no setor em 2009.

Hipersuper

A Ervideira lançou a 15ª edição do seu vinho de maior sucesso. O Invisível, um branco, feito a partir de uvas tintas, foi um marco inovador no setor em 2009.

Este monocasta elaborado a partir da casta Aragonez, com vindima mecânica e noturna, deu origem a uma nova categoria de vinhos que se consolidou junto dos consumidores e até aos dias de hoje vendeu mais de 1 milhão de garrafas, contando já com 10 milhões de euros no mercado.

“Um milhão de garrafas vendidas em 15 anos é algo de que a Ervideira tem que se orgulhar”, assume Duarte Leal da Costa, diretor executivo da empresa vitivinícola sediada no Alentejo.

Apenas em 2024, o Invisível, da qual a Ervideira produz 125 mil garrafas/ano, representa 400 mil euros de faturação.

Uma das particularidades do Invisível é ser um vinho que pode ser servido a diversas temperaturas e a acompanhar os mais diferentes pratos, permitindo uma enorme versatilidade: desde como welcome drink, até ao acompanhamento de petiscos, pratos de peixe e de carne.

“O Invisível tornou-se um caso de estudo no setor, pois deu origem a um novo estilo de vinho. Este novo estilo não se prende apenas com o facto de ser um ‘blanc de noir’- vinho branco feito a partir de uvas tintas – mas também pela particularidade que traz ao ser um vinho adequado a ser servido e apreciado a uma multiplicidade de temperaturas e em momentos tão diferentes, bem como é um vinho que agrada 100% dos consumidores, o que é um facto extraordinário”, apresenta Duarte Leal da Costa.

Nelson Rolo, enólogo responsável pela produção deste monocasta, sublinha que “um bom vinho, hoje, é um vinho com qualidade, que seja prazeroso, mas que tenha a capacidade de harmonizar com pratos diferentes. Isto é estar atualizado para produzir um vinho versátil”.

O enólogo da Ervideira destaca que o que permite ao Invisível ter esta elasticidade térmica na hora de servir “é a sua casta Aragonez e a tecnologia utilizada no seu processo de criação”. “À semelhança das edições anteriores, a vindima do Invisível é feita à noite, para haver menos luz e temperaturas mais baixas – fatores muito importantes para reduzir a oxidação e anular fermentações indesejadas”, explica.

O Invisível é elaborado com base nos melhores lotes de Aragonez. O mosto é transportado em camião frigorífico até à adega, onde é conduzido por gravidade para uma câmara de frio. Ali permanece a decantar durante 24h a baixas temperaturas. Após esse processo, o mosto é inoculado com leveduras selecionadas e a fermentação decorre a uma temperatura controlada de 12ºC, durante 15dias.

A 15ª edição do Invisível está disponível nos pontos de venda habituais.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Distribuição

Associações de Portugal e Espanha pedem maior reconhecimento do setor da distribuição na Europa

APED, ASEDAS e ANGED lançaram um manifesto com as prioridades do setor da distribuição que devem ser tidas em conta pelos decisores políticos na próxima legislatura europeia.

Hipersuper

A Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED), a Asociación Española de Distribuidores, Autoservicios y Supermercados (ASEDAS) e a Asociación Nacional de Grandes Empresas de Distribución (ANGED) lançaram um manifesto com as prioridades do setor da distribuição que devem ser tidas em conta pelos decisores políticos na próxima legislatura europeia.

A poucos dias das eleições para o Parlamento Europeu, que se realizam a 9 de junho, as associações signatárias apelam a um maior diálogo dos atores políticos europeus com este setor, que “está no centro da economia europeia e do bem-estar dos cidadãos deste território”, sendo um dos 14 ecossistemas estratégicos definidos pela Comissão Europeia na sua proposta de reforma da política industrial europeia.

“É o elo de ligação entre fabricantes e 450 milhões de consumidores, o maior empregador do setor privado na Europa – 26 milhões de pessoas -, gera 10% do PIB da União Europeia, com mais de 99% das cinco milhões de empresas retalhistas e grossistas na Europa a serem Pequenas e Médias Empresas (PME)”, destacam.

O aumento dos preços da energia e dos combustíveis, constrangimentos no transporte internacional, impactos decorrentes de conflitos armados, escassez de matérias-primas e inflação são os principais desafios apontados ao setor pelas associações signatárias do manifesto.

A estes, acrescentam “um verdadeiro ‘tsunami’ regulatório, com mais de 3.000 normas regulamentares em constante evolução e alteração, que aumentou consideravelmente os custos de funcionamento das empresas”.

A partir deste cenário, APED, ASEDAS e ANGED apontam a necessidade de serem criadas novas soluções e maior flexibilidade na regulamentação laboral para responder às novas necessidades do mundo do trabalho e aos novos estilos de vida e necessidades dos consumidores.

Defendem ainda uma regulamentação que garanta segurança jurídica e um ambiente empresarial estável, que assegure condições de concorrência e acesso a um mercado que permita o desenvolvimento dos seus modelos de negócio.

E apelam a que o quadro regulamentar garanta a segurança alimentar em todas as circunstâncias, relações comerciais estáveis na cadeia, utilização de tecnologias que reforcem a segurança dos estabelecimentos comerciais e deem uma garantia da qualidade dos produtos e a rotulagem adequada, aliada ao combate ao desperdício alimentar.

“Perante um mercado cada vez mais globalizado e que permite que comerciantes de países terceiros obtenham uma vantagem competitiva sobre empresas da União Europeia, os signatários defendem a necessidade de estabelecer condições de concorrência equitativas entre as empresas europeias e os operadores internacionais, bem como garantir um level playing field, com as mesmas regras para todos os operadores, independentemente de operarem em ambiente físicos ou digitais”, alertam ainda.

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

Distribuição

Missão Continente doou em 2023 mais de 360 mil euros através do projeto Sacos Solidários

No total, desde o início do projeto, em 2021, já foram angariados, com a ajuda dos consumidores, mais de 810 mil euros através da venda de mais de 1,5 milhões de sacos.

Hipersuper

Em 2023, a Missão Continente doou mais de 360 mil euros, através do projeto ‘Sacos Solidários’, a 20 instituições que atuam em áreas vitais como apoio à infância e juventude, o apoio animal, organizações internacionais, a diversidade e inclusão e o combate à fome, pela venda de 721 165 sacos. No total, desde o início do projeto, em 2021, já foram angariados, com a ajuda dos consumidores, mais de 810 mil euros através da venda de mais de 1,5 milhões de sacos.

A Missão Continente realizou esta terça-feira a entrega simbólica do valor angariado em 2023, entregues a 20 instituições, que totalizaram um apoio de 360 582,50 euros.

As 20 instituições apoiadas são: o Movimento Transformers, a Obra do Frei Gil, a CrescerSer, a Casa S. Francisco Assis, a PRAVI, a Liga Port, a Direitos Animal, a Associação Animais de Rua, a Animalife, a UNICEF, a Um pequeno gesto, a Hope for fulanis, a The Big Hand, o Espaço T, a Corações com Coroa, o Teatro do Vão, a Associação Salvador, a Refood, a Comunidade Vida e Paz, a Porta Solidária e as Cáritas Paroquial Matriz Portimão.

“O projeto ‘Sacos Solidários’ é um símbolo do compromisso contínuo da Missão Continente com o bem-estar das nossas comunidades. Através da colaboração dos nossos clientes e parceiros, conseguimos alcançar resultados incríveis e continuar a construir um futuro mais solidário e sustentável. Estamos muito satisfeitos com o impacto positivo que esta iniciativa tem tido e estamos entusiasmados por continuar a trabalhar em conjunto para fazer a diferença na vida de muitas pessoas.”, sublinha Rita Barrocas, coordenadora de responsabilidade social do Continente.

Durante o evento de divulgação dos resultados da edição anterior, foi ainda apresentada a nova coleção dos ‘Sacos Solidários’ para 2024. A edição deste traz novos temas e parcerias, reafirmando o compromisso da Missão Continente com a construção de um mundo mais solidário e sustentável. Os temas selecionados para esta edição incluem a Saúde Mental, o Acesso a Cuidados e Bens Essenciais, a Educação e o Envelhecimento Ativo. Estas áreas foram identificadas como prioritárias durante a Sessão Plenária do Conselho Estratégico da Missão Continente de 2022.

A Saúde Mental continua a ser uma área de foco para a Missão Continente, com apoios a instituições como a ASMAL, a CAPITI, o Centro Dr. João dos Santos e o Gondomar Social. O objetivo é promover o bem-estar psicológico e combater estigmas associados a esta área.

No âmbito do Acesso a Cuidados e Bens Essenciais, a Missão Continente colaborará com a Associação Cais, Associação Crescer, a Associação Just a Change e a Misericórdia de Gaia, garantindo que todos possam viver com dignidade e segurança.

Para a área da Educação, a Missão Continente apoia instituições como a Academia Johnson Semedo, a ADCE, o Grupo Social de Sto. Agostinho e a Santa Casa da Misericórdia de Cascais, assegurando oportunidades educacionais de qualidade para todas as crianças.

O Envelhecimento Ativo será promovido através de parcerias com a Pedalar sem Idade Portugal, o Centro Cultural e Social de Sto. Adrião, o Centro Paroquial da Mexilhoeira Grande e o Centro Social Paroquial de Sta. Margarida de Abrã, garantindo um envelhecimento com dignidade e vitalidade.

Os sacos solidários, disponíveis por 1,50€ nas lojas Continente, Continente Modelo e Continente Bom Dia, destinam-se a apoiar causas sociais considerados relevantes e fraturantes, revertendo 0,50€ por cada saco vendido para as instituições parceiras.

 

Sobre o autorHipersuper

Hipersuper

PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2024 Hipersuper. Todos os direitos reservados.